quinta-feira, 10 de junho de 2010

Perseverando na tribulação

A vida de cada um de nós tem momentos bons e maus, experiências alegres e tristes. Após a entrada do pecado no mundo, o sofrimento passou a fazer parte da existência humana. Como ser humano, o jovem passa por fases difíceis na vida. Apesar de alguns segmentos evangélicos dizerem o contrário, nós cristãos não estamos imunes às tribulações.

Quando o sofrimento chega, experimentamos dor, angústia, aflição, lágrimas. O que fazer nesses momentos? Como reagir diante de circunstâncias desagradáveis? A Palavra de Deus nos mostra diversos elementos que nos ajudam a suportar e a superar as provações. O apóstolo Paulo lista três deles em Romanos 12.12: “alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração”.

O primeiro elemento destacado por Paulo é a esperança. A esperança diz respeito à certeza de que, independente das circunstâncias, as coisas vão terminar bem. Há um ditado que diz que a esperança é a última que morre. Mas, para nós cristãos, a esperança jamais termina. O salmista exclama: “Agora, pois, Senhor, que espero eu? A minha esperança está em ti” (Sl 39.7). A nossa esperança está fundamenta em Deus e na certeza de que Ele é fiel para cumprir suas promessas. Por isso, ela nunca morre, está sempre viva a renovar nosso coração nos momentos difíceis. Daí o apóstolo dizer que nos alegremos na esperança.

A paciência é o segundo elemento listado por Paulo. Esta é a virtude que nos faz suportar o peso da dor e do sofrimento. Tiago, irmão do Senhor, nos lembra um exemplo bíblico de paciência, ao dizer: “Ouvistes qual foi a paciência de Jó e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso” (Tg 5.11). Assim como Jó suportou a imensa provação que lhe sobreveio, nós também podemos suportar as nossas. Deus não nos prova além de nossas forças (I Co 10.13). Ele é misericordioso. O escritor aos Hebreus nos recomenda: “Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa” (Hb 10.36). A promessa só pode ser alcançada quando permanecemos debaixo da vontade de Deus, e isto significa ter paciência.

O terceiro elemento é a perseverança. Isto significa que, a despeito das circunstâncias parecerem quase insuportáveis, não podemos desistir da caminhada. Cristo nos assevera que aquele que perseverar até o fim será salvo (Mt 24.13). E Paulo nos indica de que forma devemos perseverar: na oração. A recomendação é para orar sempre, mesmo quando não há palavras, mesmo quando só há lágrimas ou silêncio. O Espírito nos ajuda em nossas fraquezas e intercede por nós (Rm 8.26).

Se você está passando por um momento difícil, não desista. Lembre-se: a esperança, a paciência e a perseverança nos ajudam a suportar as tribulações. Acima de tudo, Cristo está conosco, está com você, como prometeu (Mt 28.20b). Ele nos anima, nos incentiva, nos impulsiona, nos segura, nos sustenta. Tenha certeza de que “todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto” (Rm 8.28). Deus em tudo, em todos os momentos, circunstâncias, situações, trabalha para produzir o bem em cada um de nós.

Alexsander Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário